Curiosidades

Página

Carne processada e saúde

Um novo estudo confirmou os efeitos danosos das carnes processadas sobre o nosso organismo, como as salsichas, as defumadas, as curadas ou com adição de conservantes. Bastam 180 gramas desses produtos por semana para  aumentar o risco de doenças cardíacas e até de morte, concluiu o trabalho do centro de pesquisa do  Hamilton Health Sciences e da Universidade McMaster, no Canadá. A informação foi publicada no  The American Journal of Clinical Nutrition.

Quem come mal à noite...

... poderá ter dificuldade no trabalho no dia seguinte, tornando-se menos prestativo e mais retraído. É o que indica estudo realizado pela North Carolina State University (EUA). Para chegar a este resultado, foram pesquisados 97 funcionários de empresas durantes dez dias. Os participantes responderam  a perguntas relacionadas ao seu bem-estar físico, emocional e aos hábitos alimentares antes de dormir. Os que comeram fast-food ou lanches pouco saudáveis à noite, foram os mais propensos a ter problemas para trabalhar, além de dores de dores de cabeça e distúrbios digestivos.

A conta que pode ajudar a viver mais

Comer diariamente duas frutas e três outros vegetais, como legumes e verduras, pode ajudar a ter uma vida mais longa e saudável.  É o que revela estudo da publicação científica  Circulation, da  American Heart Association.  A “receita” ajuda a reduzir a probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares e câncer, segundo a pesquisa, que usou uma base de dados de mais de dois milhões de adultos de instituições médicas de 29 países e territórios.

Cochilar faz bem!

Um novo estudo da Universidade de Rochester (EUA), demonstrou que este neuromodulador pode levar a futuras alterações cognitivas em crianças entre 9 e 10 anos. Isso ocorre porque a cafeína consegue atravessar com facilidade a barreira placentária e o feto não possui a enzima que permitiria decompô-la, explica o artigo na publicação Neuropharmacology. A pesquisa usou a base de exames de ressonância magnética de mais de nove mil crianças daquela faixa etária. Mais informações em < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/33529676/ >  

Página

ACOMPANHE NOSSAS REDES SOCIAIS: